Archive for the ‘Opinião’ Category

Qual é a Maior Necessidade do Mundo?

10 junho 2010

Como você responderia essa pergunta? Antes de continuar lendo, pare e responda essa pergunta a você mesmo.  São tantas coisas,  né? É difícil escolher uma só como a maior necessidade o mundo, mas Ellen White no livro Educação, página 57 dá uma resposta muito boa para essa pergunta.

A maior necessidade do mundo é a de homens – homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus. “

Agora, imagine se todos, TODOS os seres humanos fossem assim como descreveu a senhora White. Imagine um governo cheio de homens e mulheres “honestos, que não se vendem, que são verdadeiros”. Pense em um mundo onde as pessoas não roubam das outras, onde um respeita o outro, onde o mais rico ajuda o mais pobre. Esse é o mundo descrito nesse parágrafo acima e que, infelizmente, não tem como se tornar realidade aqui na Terra.

A Fuga do Rock (2)

15 dezembro 2009

Brian Neumann

Entrando em cena

Despontei no cenário musical local. A banda de que fazia parte chamava-se Primeira Página e se apresentava na televisão; nossa música era também tocada em algumas estações de rádio. Contatos com um produtor musical logo acrescentaram avanços à minha carreira. Tornei-me bom amigo de Manlio Celloti, dos estúdios HI-Z, que logo formou um grupo de três membros. Depois de gravar durante um ano em estúdios, estávamos prontos para viajar para além-mar.

Após três meses de estada na Alemanha, nossa banda de pop e rock, O Respeito, firmou contrato com a Discos Polydor, de Hamburgo. A gravadora lançou nosso disco Ela é Tão Mística em setembro de 1986. Esse lançamento abriu novas portas. A banda foi convidada a fazer parte de uma coleção alemã de LPs, com artistas do calibre de Janet Jac-kson e Elton John.

A vida se tornou uma miragem constante de programas, sessões de estúdio, entrevistas, mulheres, drogas e mais drogas. A essa altura, minha condição moral tinha-se deteriorado a tal ponto que nenhum tipo de vício me era estranho. Nesse meio tempo, o sucesso de nossas gravações produziram desavenças entre os membros da banda, e finalmente nos separamos.

Um dia depois de uma maratona de estúdio e uma orgia de drogas, acordei com o rosto no chão de um banheiro frio, na casa de uma vocalista de Hamburgo. Estava me afogando em meu próprio vômito, lutando pela vida. Contudo, achava-me bastante consciente para invocar o Deus de minha juventude, a quem eu havia esquecido há muito.

Ele, porém, não me tinha olvidado ou abandonado. Algo miraculoso ocorreu naquele dia. Meus rumos haviam provocado uma reviravolta importante, mas esse foi apenas o começo de uma viagem tortuosa, durante a qual experimentei muitas recaídas no rock, antes de libertar-me desse vício infame.

(continua…)

Diálogo Universítário
Série 5 minutos

Grande Conflito

2 dezembro 2009

Estou lendo este livro e não cheguei à metade ainda, mas com certeza já é um dos melhores livros que li. O livro traz à realidade o conflito entre Deus e Satanás e como esse conflito é presente em nossa vida hoje e conta como a história pós Jesus é moldada por esse conflito. Em cada capítulo vemos como Satanás tenta destruir o povo de Deus à força, com guerras e opressão, e com enganações, mudando a Palavra de Deus, mas vemos também a mão poderosa de nosso Senhor protegendo os Seus filhos e a Sua palavra de todo o mal. Quem gosta de história se apaixona desde o primeiro capítulo quando Ellen White, inspirada por Deus, retrata as cenas da destruição de Jerusalém em 70d.c. por Tito e as tropas romanas. Com um pouco de imaginação você se sente lá na época da guerra. As reações do povo com algumas mães comendo os próprios flihos, do general romano não querendo invadir a cidade e por consequência destruir o templo e do exército são muito bem detalhadas.

Os próximos capítulos tratam da Idade Média. Ellen White conta como as leis de Deus foram mudadas aos poucos, quase que imperceptivelmente. Conta como a Palavra de Deus e seus seguidores foram perseguidos e levados à morte por não aceitarem as novas regras impostas pela Igreja Católica. Explica claramente e sem rodeios quem está por trás do Vaticano.

Como minha intenção não é contar todo o livro e sim fazer com que você fique com vontade de ler vou parar por aqui. Se você ler e quiser debater entre em contato conosco, nós estamos estudando-o no pequeno grupo. Daqui a pouco vamos estudar o capítulo 8 – “O Poder Triunfante da Verdade” que fala sobre Lutero.

Leia esse livro! Com certeza vai mudar a sua vida.

A Fuga do Rock

25 novembro 2009

Por Brian Neumann

Minha peregrinação espiritual do rock para a Rocha dos Séculos é uma história dolorosa de vício, autodestruição e redenção.

Meus pais eram missionários adventistas do sétimo dia. Portanto, pareceria quase um absurdo que seu filho mais moço, criado no coração da África, mergulhasse no mundo do rock.

Todavia, isso aconteceu. Não súbita, mas gradualmente. Teve início quando, em companhia de alguns amigos, passei a ouvir certas músicas. Um cântico levou a outro e finalmente meus talentos naturais para a música e a arte foram canalizados para o sonho irreal e psicodélico do rock. Acabei sendo fisgado. O poder, as vestes, a fama e a presença mundial da revolução do rock cativaram-me. Logo me vi separado do mundo espiritual e da fé de meus pais. Uma nova era, uma nova cultura, tinham-se apoderado de minha vida, como ocorrera com a vida de tantos outros.

Logo passei para um estado permanente de rebelião. Nas palavras de um pop star do rock, David Crosby, “imaginei que a única coisa a fazer era roubar seus meninos… Ao dizer isso, não estou falando de seqüestrar, mas de mudar o sistema de valores, que os remove muito efetivamente do mundo de seus pais”.1″.

Meu sonho era aprender a tocar violão, coisa que fiz a toda pressa a fim de conquistar o “mundo deslumbrante de sexo, drogas, moda e rock’n’roll”. Eu sabia que o rock era exatamente isso. O próprio empresário dos Rolling Stones havia dito inequivocamente: “Rock é sexo. Você precisa impressionar os adolescentes com isso!”2

O rock e a cultura popular apregoavam ao meu subconsciente que não havia nada de errado com sexo pré-conjugal. O resultado tornou-se evidente em 1980, um ano após terminar o ginásio. Tornei-me, então, pai de uma criança.

(continua…)

 Notas e referências:
1. Peter Herbst, The Rolling Stone Interviews (Rolling Stones Press, 1981).
2. Time (April 28, 1967), p. 53.

Diálogo Universítário
http://dialogue.adventist.org/articles/12_3_neumann_p.htm
Série 5 minutos

Preparativos para o casamento

13 agosto 2009

1Há quem fuja do assunto, mas geralmente não são as mulheres. Elas encaram como um dos dias mais importantes da vida, mas vale lembrar que o dia do casamento é para a vida de casado como um vestibular é para uma vida profissional. É importante mas não é tudo.

Assim como o último colocado para a terceira chamada dos aprovados para o vestibular tem direito de cursar a faculdade, uma cerimônia de casamento ‘meia-boca’ também confere aos noivos o título de casados, mas o gostinho da preparação de cada detalhe a seu gosto, a sua assinatura e principalmente a satisfação de celebrar ao melhor estilo o amor, tem um sabor especial.

Uma ex-integrante do grupo está se preparando para o seu momento, e resolveu compartilhar um pouco de suas pesquisas com os internautas. Aqui vai o recado dela:

“Olá povo do Entre Amigos, que saudade!
Estou me ocupando do espaço de vcs pra escrever especialmente pras gurias, as do grupo e as que visitam por aqui.

Sou uma guria que curte coisas de casamento, então resolvi fazer um blog sobre o assunto.
Sempre gostei disso e ando pesquisando, pois o meu tá próximo (cruzem os dedos!).
Achei que seria legal dividir com as pessoas as coisas que acho nas minhas pesquisas, o que anda rolando em outros casamentos, etc.
É um blog com muitas fotos, dicas e idéias originais, pra o grande dia.
Pra quem está se preparando ou só quem curte casório e afins!
Espero que passem por lá e me deixei um “oi”!

Enjoy!”

http://mariliamarilda.wordpress.com/

a cara do blog

a cara do blog

The Story of Stuff

24 junho 2009

The Story of Stuff

Um recadinho ecológico pra quem gostar de comprar…
 
Não sei quantos de vocês já assistiram esse vídeo, mas acho ele muito interessante. O título é “The Story of Stuff”, e assim como o título ele é todo apresentado em inglês…sorry! Para a nossa alegria, para aqueles que precisarem e quiserem, o site também disponibiliza legendas em português, yes! Basta descer um pouco a barra de rolagem do site até um pequeno quadrado laranja no qual está escrito “Other languages?” e clicar.. as opções irão aparecer 🙂
 
Nele Annie Leonard  fala um pouco sobre o mundo consumista em que vivemos e procura passar um pouco de consciência sustentável àqueles que gostam de fazer umas comprinhas semanais “básicas”. Leonard é diretora deste projeto e já participou de vários outros grupos de proteção ambiental, entre eles o Greenpeace Internacional. Esta escritora engajada já viajou mais de 40 países, nos quais tem testemunhado as realidades que apresenta no vídeo.
 
O site é www.storyofstuff.com

Well..enjoy it!

“Mulheres contratam chef em SP para aprender a fazer arroz com feijão”

31 maio 2009
(Foto: Claudia Silveira/G1)

Foto: Claudia Silveira/G1

 

Lia um site de notícias hoje pelo inicio da tarde, quando me deparei com uma matéria que a princípio me pareceu um tanto quanto engraçada. O título era: “Mulheres contratam chef em SP para aprender a fazer arroz com feijão. Curso básico de culinária é saída para jovens que não sabem cozinhar. Moda da alta gastronomia dá lugar à necessidade de comida caseira”. A matéria vai apresentando jovens entre 24 e 32 anos que vêem a necessidade de aprender a cozinhar porque vão morar ou já moram sozinhas, porque vão se casar ou porque vão se mudar para o exterior.

 

Em seguida a repórter escreve: “Entre os alunos que procuram o curso básico de culinária (…) a maioria não tem referência familiar de cozinha, como acompanhar a mãe ou o pai preparando pratos para a refeição do dia-a-dia. ‘Acho que isso tem muito a ver com essa geração criada por pais que trabalham fora o dia todo. Essas crianças são os adultos de agora’”.

 

A princípio trazer essa matéria aqui pro blog pode parecer um tanto quanto bobo, mas paremos um segundo pra pensar. Em meio a uma vida de correria, em que as pessoas fazem suas refeições mais em restaurantes do que em casa, muitos de nossos jovens não têm mais a experiência e o privilégio de ter os pais em casa e todos ao redor da mesa na hora das refeições. O interessante é que, segundo a reportagem, grande parte dessas jovens é religiosa, muitas, evangélicas.

 

Nós, como cristãos adventistas, sabemos o quão importante é a família e o quanto os pequenos momentos como este são essenciais na construção de um lar sólido. Não é a toa que Ellen G. White possui um livro só sobre isso*. Mas será que alguns de nós também não estão precisando de umas aulinhas?

 

* O Lar Adventista

comunicação – parte 2

5 maio 2009

sofisma

Sempre gostei de uma música pouco antiga, que foi regravada há não muito tempo no DVD ao vivo do Novo Tom. Chama-se ‘Usa-me’. Feita pelo Lineu e pelo Mário Jorge, ela é a oração de um servo do Senhor que agradece por ter sido escolhido por Deus para o seu trabalho. Ele ainda pede que Deus o use conforme sua vontade. Diz querer compreender mais o seu amor e falar de modo claro, a outros, impulsionado e inspirado por Ele.

Pela minha ignorância, achava engraçado e contraditório o seguinte fragmento da música: “… necessita compreender sem sofisma a salvação. Eu desejo em todo tempo falar claro da Tua graça…”.

Como podia alguém que usava a palavra ‘sofisma’ dizer imediatamente depois querer falar claramente? Hehe. Fui pro dicionário e descobri que sofisma é o raciocínio ou argumento que aparentemente é lógico, mas é falso e enganoso. Vi que esta palavra faz parte do nosso dia-a-dia mais do que pensamos. Informações manipuladas, conceitos distorcidos, defesa de interesses próprios bem argumentada… Por fim… a música ficou mais clara pra mim. Espero que pra vocês também.

A revolução começou hoje?

29 abril 2009

Vamos, por um momento, fingir que não sabemos como achar todas as músicas online. Que não existe bittorrent e Comunidade Discografias (a versão 2.0). Esqueça que você é um iniciado e delete dos favoritos essas comodidades (ilegais, diga-se). Pois bem. Com essa amnésia temporária, você se sente como um dono de celular comum no Brasil, a média da população – que só conhece música “pirata” via CDs de coletâneas e arquivos passados por amigos. Para essa pessoa, a idéia de poder baixar qualquer música que quiser, a hora que quiser, sem pagar nada é, sem uma palavra melhor, revolucionária. E mesmo para quem conhece os meandros do Pirate Bay, um serviço assim seria mais rápido que qualquer outra solução e, para alívio das consciências mais pesadas, totalmente legal. Isso é o Comes With Music, uma idéia que vai na linha do que o Brian Lam pedia alguns dias atrás, pois entende que a única forma de fazer os piratas deixarem de ser piratas é dar-lhes uma interface rápida e opções ilimitadas por um preço baixo. De graça, tanto melhor. O Comes With Music – CWM, de agora em diante, é essa solução?

(more…)

Complementando…

28 abril 2009

Os últimos 2 posts que escrevi, escrevi em um momento honesto de profunda indignação com nossos governantes. Hoje vi um vídeo de um comentarísta político que é uma espécie de Paulo Sant’ana de Santa Catarina, sobre o escandalo das passagens.

Acredito que complementa o que escrevi. Assistam, divulguem e se você sentir um nó na garganta, uma vontade de chorar  e vontade de fazer alguma coisa, FAÇA!!!

Olha o Avião!!!

23 abril 2009

A palavra avião pode ser usada em várias situações: pode se referir a uma mulher bonita, a um carro em alta velocidade, ao superman, a um ladrão… a língua portuguesa e a criatividade do povo nos permite essa variedade de aplicações a uma mesma palavra.

Mas hoje vou opinar dos aviões que temos em Brasília e das suas relações com a criação de Santos Dumont ou dos irmãos Wright (escolha sua história). Em meio a crise mundial e dados alarmantes dos especialistas, vemos mais uma vez em nosso país outro exemplo de má administração do dinheiro público, do nosso dinheiro.

Nossos governantes estão acostumados a usar o dinheiro público e não prestar contas a ninguém. Quando a imprensa resolve divulgar uma coisa como essa e a opinião pública exerce alguma “pressão”, gera discursos como: “fui convocado pela nação e tenho que abandonar minha família em meu estado e vir para Brasília?!? O estado tem que dar o suporte necessário para que eu possa trabalhar…” para um cara que ganha R$16.200,+ 60mil verba de gabinete, + verba indenizatória de 15mil para outros gastos + 4mil de verba postal?!? (sim, R$4.000 para comprar selos e pagar sedex) + 3mil auxílio moradia + verba gasolina .. somando tudo eles custam aproximadamente R$100mil cada. Fora o “nepotismo tabelado” que acontece a olhos vistos. Vossa excelência tem que concordar que essa convocação está muito bem paga. Fora as 8 passagens que cada parlamentar tem por mês para seu estado, eles tem direito a 2 passagens por mês para o Rio de Janeiro.. sabiam dessa?? Só porque um dia a cidade maravilhosa foi a capital do Brasil. Foram 1280 passagens para o exterior em um ano e meio de mandato. É algo realmente absurdo.

 Agora que definiram algumas regras, os nobres deputados querem aumentar o seu próprio salário em 50%. Ainda tem coisas nesse país que ainda me surpreendem.

O que me consola é que já estamos quase lá, e que poderei viajar de graça sem avião para um lugar muito melhor. Mais enquanto esse dia maravilhoso não chega, vamos tomar uma atitude e votar consciente. Se você não sabe em quem votar, estude as propostas dos candidatos. Se estiver com preguiça, fique em casa e aproveite o domingo fazendo outra coisa que seja menos prejudicial para seu sofrido país. A multa é irrisória, eu garanto.

Atitude

14 abril 2009

Quase todos os dias no caminho para o trabalho, ouço na Band News FM um jornal sobre as notícias do dia e atualidades. Recomendo o programa. Na sexta-feira (10/04) ouvi a seguinte manchete: “Marido rouba ambulância para transportar mulher grávida do posto de saúde para o hospital.” Resumindo a notícia, o casal chegou em um posto de saúde em Curitiba e a esposa grávida de 5 meses, não foi atendida pois era horário de almoço… o marido então enxergou uma ambulância estacionada na frente do posto de saúde, colocou a mulher dentro, e foi para o hospital mais próximo. Link Esse cidadão tomou uma atitude, questionável, mas tomou uma atitude. Não ouso julgar os motivos/razões que o levaram a decidir por “transgredir” uma lei clara, pois no lugar dele eu realmente não sei o que faria.

Uma das definições da palavra atitude no Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, é a seguinte: “…tomar uma decisão enérgica para mudar uma situação insatisfatória que já perdura há algum tempo.”

Quando o Sr. Adriano Senhoriho resolveu “roubar” a ambulância para salvar sua esposa, ele, literalmente, tomou uma atitude energética para mudar uma situação insatisfatória que perdura há algum tempo, para ele e para os brasileiros que não conseguem pagar um plano de saúde. O Sr. Senhoriho é o meu herói da vez. Foi um brasileiro que tomou uma atitude.

A pergunta que me fiz é qual é o limite para o cidadão tomar uma atitude? Até onde vamos ver essa falta de vergonha de nossos governantes só reclamando em conversas de amigos, ou blogando? Quando vamos tomar uma atitude realmente?

Quando falo de tomar uma atitude, não falo em passeatas e quebradeiras. Mais sim de um voto consciente. Você sabe o nome do senador do estado? O nome de 5 deputados federais (temos 31).

Você tem tomado atitudes também na sua vida espiritual? Para mudar uma situação insatisfatória que perdura há algum tempo?

“sei as tuas obras, que não és frio, nem quente; prouvera a Deus que fosses frio ou quente; assim, porque és morno e não és frio, nem quente, vomitar-te-ei da minha boca” (Apocalipse 3:15-16)

Comunicação – parte 1

23 março 2009


barde2Várias vezes, durante minha infância, ouvi meu pai contar de uma tia dele que era professora no interior do interior. Lá onde chamavam de ‘colônia’, numa época que para ser professora não precisava ter, necessariamente, um curso normal ou superior. Ela alfabetizava crianças usando um método de soletração! Ela soletrava primeiro e pronunciava a palavra inteira depois. Acontecia mais ou menos assim: B-A-L-D-E …BARDE! Isso mesmo, ‘barde’. E nós dávamos muitas risadas desta história, que reproduzo até hoje.

Meu pai, por sua vez, graduou-se em Letras e fez, inclusive, uma tal licenciatura plena, (embora eu não tenha bem idéia do que vem a ser isto). Assim, eu cobrava dele que, por ser ele professor de português, não deveria usar expressões como: “as pedra de parlepi”, “os cascaio da estrada véia” e “enchê os barde d’água”. Claro que exagerei um pouco nas expressões, hehe, eram coisas bem mais sutis… Esse uso acontecia, eventualmente, quando encontrávamos alguém que era do interior da ‘colônia’ e também falava assim.

Ele me deu uma resposta que na época não me convenceu, mas depois me serviu como lição de comunicação. Claro que com o tempo desenvolvi um conceito mais amplo sobre o assunto, mas a idéia é quase a mesma. Para que as pessoas entendam facilmente o que você quer lhes dizer você deve falar a linguagem e usar exemplos que elas estejam mais familiarizadas. Se você falar com um vocabulário rebuscado e usar exemplos que lhes são incomuns o canal de comunicação com elas pode ser interrompido, e o recebimento da mensagem, que seria o mais importante, pode falhar por tropeçarem no constrangimento e na ignorância, criando assim uma grande barreira. Conhecer o universo das pessoas que queremos nos comunicar ou relacionar é muito importante para não sermos mal interpretados e não ofendê-las. Também para não passarmos por esnobes e arrogantes. Comunicar é diferente de ensinar. Está mais para se relacionar.

Entendi que meu pai não queria ensinar seus conhecidos e parentes, queria ser próximo, ter conexão, entender e ser entendido, se relacionar.

Paulo apresenta uma lição parecida em 1 Coríntios 9:20-23

“E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei.

Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei.

Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.

E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele”.

 

Queimando Dinheiro

21 novembro 2008

Eu não entendo praticamente nada sobre economia. Já tropeço nas contas pequenas e habituais de uma economia familiar, o que dirá saber da macro-economia. A economia que afeta e entrelaça países e mega-multinacionais. Pois é bem disso que vou falar agora, sobre o que ignoro. 

Só porque um dia desses me peguei pensando sobre a crise mundial. Essa queda vertiginosa das bolsas de todo mundo. Parenteses: essa semana, por exemplo, as ações da GM atingiram seu nível mais baixo em 60 anos. 60! O que quer dizer, para alguns, que está na hora, ou quase, de comprar essas ações.

Como dizia, a crise, pois é. Não sei se vocês, assim como eu, não haviam percebido algo que me dei conta alguns dias atrás. Onde vai todo o dinheiro, com as quedas da bolsa… Pelo jeito como falam, o dinheiro parece que simplesmente está sumindo. O que é impossível de acontecer, a menos que no subsolo da Wall Street esteja Alan Greespan, o guru da economia mundial, queimando notas de 100 dólares, só para deixar claro do que eles estão falando.

Dinheiro não some. Sai de uma mão e escorre para outra. Tudo bem, a bolsa é um mercado de apostas, de possibilidades. O que se vende são expectativas e não material físico, logo o que se está perdendo não é dinheiro, mas expectativa de dinheiro, o que é bastante diferente. A queda na verdade é reflexo também do encolhimento dos investidores, que param de injetar óleo, opa, dinheiro, nessa máquina enorme de fazer dinheiro.

Isso eu entendo. Peraí, não entendo. Mais ou menos. Mas dinheiro não some! Alguém está lucrando em algum lugar! ISSO faz sentido! Agora atenção, governadores do mundo, Mr. Obama inclusive que o senhor assume daqui a pouco: Vamos encontrar o cara que está lucrando com isso, e a partir daí teremos um bom começo para tampar esse mega vazamento mundial. Ou isso, ou alguém simplesmente ache o maldito velhinho Greenspan e peça pra ele parar a queimação.

Top of the World

17 novembro 2008

Barack Obama é o cara! Pelo menos é o que a euforia de grande parte do mundo mostra nesse momento. Desde o início das prévias do Partido Democrata seu nome começou a correr nas bocas informadas de todo o mundo. Hoje em dia não é só nas informadas: todo mundo sabe sobre o havaiano negro de 47 anos, filho de um queniano com uma americana, que herdará o trono do mundo em janeiro de 2009.

É o presidente eleito mais cativante e popular desde Kennedy. Seus seguidores são fãs. Como se Obama fosse um ídolo da música Pop. Nos poucos meses de campanha ele já se tornou um ícone. Barack Obama ainda nem assumiu o salão oval da Casa Branca e seu governo já é histórico, é o primeiro negro eleito presidente americano da história. Por isso seu nome logo é associado a outros ícones como Martin Luther King, Mandela, entre outros.

E agora José? No seu primeiro discurso após a eleição, para uma multidão em Chicago, seu semblante já era mais sério. Não distribuía sorrisos como durante a campanha. Será que a ficha já tinha caído? Se sim, o homem é rápido porque é uma senhora de uma ficha! E há de se estar sério mesmo. Dia 20 de janeiro, Obama assume a liderança do país mais amado e odiado do planeta, o mais poderoso e influente grupo de estados, de certa forma, ele assume a liderança do mundo.

O que isso significa para nós, jovens adventistas, ainda é uma nuvem confusa de possibilidades. Há quem diga que é da boca dele que proverá aquelas palavras de paz e união, por uns, esperadas, por outros, temidas. A gente assiste, porque é o que nos resta fazer, torcendo para que não façam dele outro mártir, mas sim que o deixem fazer parte da história por causa de seu trabalho que por enquanto nos enche de curiosidade.

Conheça mais:
http://www.barackobama.com
http://pt.wikipedia.org/wiki/Barack_Obama
http://obama.senate.gov/

Atrás do Papelão

6 outubro 2008

O político sai detrás do papelão que cobre a urna eletrônica. Ele forma um vê com os dedos e tem um sorriso no rosto. Na lapela, um adesivo com o nome de uma candidata ao cargo principal da prefeitura. Nota-se o esforço nas pregas de sua bochecha para que o sorriso seja o mais perfeito possível, o mais incontestável. As orelhas movimentadas pelo sorriso entortam os óculos pendurados sobre o nariz.

Não importa o quanto relações sociais se desenvolvam e o homem precise manter compromissos assumidos e contratos assinados, pai será sempre pai. Tarso Genro carrega uma estrela vermelha no peito desde que se conhece por um homem público. Ele mesmo já foi eleito para esse mesmo cargo por esse mesmo partido. Portanto, anuncia seu apoio ao candidato que deve anunciar.

Mas escondido detrás do papelão, sozinho com a máquina de votos, Tarso deve ter pensado 1.293 vezes em quem votaria. Muitos acham que pai e filha são brigados, apenas pelo fato de serem de partidos diferentes e pensarem de maneiras diferentes. Não é verdade. Em entrevistas os dois afirmam: trabalho é trabalho; em casa, família é família.

Digam o que quiserem. Mas para mim, na manhã de domingo passado, Tarso apertou dois números e confirmou pela primeira vez na história um número maior que uma dezena mais três. Saiu dali, e sorrindo fez o V da vitória.

A Verdade Segundo Gessinger

5 agosto 2008

As pedras falariam no fim dos tempos. As pedras rolando. Uma pedra que bate e rola. Já tentou traduzir isso para o inglês? Parece uma tentativa ridícula de relacionar a pedra bíblica ao famoso Rock’n’Roll. Parece, mas não é. O autor miserável desse post também considera essa uma idéia infeliz, apesar de curiosa.

No entanto, a idéia que a Bíblia – pelo que entendo – queria passar, é que pequenas frações da verdade, ou verdades que nem mesmo os santos estariam dispostos a proferir em alto brado, seriam divulgadas por meios muito inesperados. Como uma pedra, ou como um russo colocando versos bíblicos entre seus versos para milhões de jovens berrarem em seus shows lotados.

O irmão sentado no seu banco num sábado de manhã vai achar que eu estou à beira da blasfêmia. Será? Quantos desses milhões de jovens que ouviam Legião Urbana sabem cantar toda a letra dessas músicas, tendo essas palavras gravadas inadvertidamente na memória? No entanto a maioria deles, talvez, não estivesse disposto a ouvir um sermão do irmão sentado no banco – se é que um dia esse irmão resolveria se levantar de seu banco.

Não veremos nas prateleiras de uma livraria, por exemplo, um livro de capa dura com o título A Verdade Segundo Gessinger, no entanto o vocalista dos Engenheiros do Hawaii já escreveu: o preço que se paga às vezes é alto demais / é alta madrugada, já é tarde demais pra pedir perdão (…) e agora eu pago meus pecados / por ter acreditado que só se vive uma vez / pensei que era liberdade / mas, na verdade, eram as grades da prisão.

Não parece um texto bem apropriado para entrar nos ouvidos calejados de pessoas que tem a tendência de querer aproveitar a vida com intensidade sem pensar em suas conseqüências? Essas pessoas, até onde eu sei, não têm o costume de se juntar em festinhas ao som de música gospel. Se estamos no fim dos tempos ou não, é questão para outro post, mas as pedras não estão só falando, estão cantando.

Agradecimentos

26 maio 2008

Nestes 11 anos, a história do Entre Amigos se mistura com a história da nossa própria vida. Foi um tempo em que cantamos entre amigos, oramos entre amigos, trabalhamos entre amigos, nos alegramos entre amigos, choramos entre amigos, vivemos entre amigos. Falar de nós mesmos inclui falar do Entre Amigos e falar do Entre Amigos é falar de cada uma das pessoas que passaram por aqui.

 

Neste aniversário, tentamos reunir na medida do possível, todas as partes desta história. Chamamos os ex-componentes, os familiares, os amigos. Resgatamos músicas do passado, mostramos um pouco do que está prometido em novas composições para o futuro.

 

Já temos algo para contar, mas ainda há muito que fazer. Corações foram tocados, mas muitos ainda esperam ouvir sobre Jesus. Nosso trabalho continua. Aqui, fazemos uma pequena pausa. Pra comemorar e pra reconhecer como a participação de cada um foi fundamental. Não dá pra dizer como cada um contribuiu, mas você sabe, em seu coração, o que fez pra ajudar nesse trabalho e levar pessoas aos pés de Cristo. Nosso Deus também sabe, tenha certeza.

 

É a este Deus, Único e Santo, Digno de toda honra e louvor que agradecemos neste momento. Obrigado Senhor por nos escolher para este trabalho e nos dar meios para executá-lo. Obrigado por nos permitir viver tudo isso. Obrigado por passarmos todos estes anos entre amigos.

 

Meias Vermelhas de Boston

14 abril 2008

Ontem era meia noite e um estádio em Boston estava lotado. O Fenway Park, tradicional palco dos Red Sox, time de baseball que enfrentava os New York Yankees num clássico nacional. Imagine o calorzinho de uma noite de Boston, cidade do norte estadunidense, num jogo de cerca de 2 horas e meia, paradinho, paradinho. As câmeras fitavam casais torcedores debaixo de seus cobertores, com tocas e luvas. Isso que é paixão! Pelo clube e um pelo outro, claro.

Será que existe alguma coisa errada em ser aficionado por esporte? Realmente apaixonado por um clube de futebol, ou uma modalidade esportiva?

Polêmicas à parte, em que se gasta o tempo pode ser o ponto principal da questão. Pelo menos foi esse o argumento que já me foi apresentado com bastante efusão. Passar mais de duas horas debaixo de um frio congelante para quê? No que isso me prepara para o céu, ou me aproxima de Deus? Pior: será que não me afasta dEle?

Por outro lado, será que é vontade de Deus usarmos viseiras nessa breve passagem pelo mundo, fechando os olhos para qualquer tipo de lazer ou passatempo? Concentrando-se unicamente nos labores do trabalho missionário, nas horas de leitura e estudo da palavra? Parece pouco provável.

Unindo as duas hipóteses, buscando o equilíbrio, parece que começamos a enxergar algo mais sólido. Na verdade, ainda emerge uma terceira, bastante coerente. Primeiro: devemos dedicar tempo ao estudo e ao trabalho missionário, porque é isso que nos faz cristãos de verdade, e não apenas pessoas com um título, como a maioria dos cristãos no mundo. Segundo: devemos ter nossas horas de lazer, descanso e diversão. Deus nos ama, aliás, Ele é o próprio amor, e isso já garante que Ele queira nossa felicidade. Terceiro: cabe a nós saber organizar sabiamente nosso tempo, dando prioridade total a quem merece o primeiro lugar em todas as coisas, sempre.

Uma coisa eu sei. Um dia quero sentar num desses estádios, puxar um cobertorzinho, pedir dois cachorros quentes e assistir bem calmo, acordando a Daiane de vez em quando. Vai entrar para a to do list das viagens. Aliás, os Red Sox ganharam.

EA – Companhia de Viagens

10 abril 2008

Existem muitos prazeres que ainda não desfrutei com boca cheia no alto dos meus quase 25 anos. Um de menino era o video game. Assistia aos outros meninos com seus mega drives, phanton systems, super nintendos, neo geos da vida com muita cobiça. Provavelmente teve uma razão para isso acontecer. Pode ser que eu tenha me salvado de virar um zumbi em eterna síndrome de abstinência, sem conhecer a luz do sol.

Hoje, divido com a Daiane a vontade de viajar muito. Coisa que ainda não pudemos fazer. Acho que é um dos privilégios mais menosprezados pelos que isso podem fazer. Pelo menos é o que me parece, aqui no meu cantinho escuro de recalcado. Imagino sempre que se pudesse viajaria muito. Conheceria todo o mundo; Europa, África, EUA, Ásia, Oceania, nossa América Latina.

Refletíamos no último fim de semana como o EA é viajado. Mesmo que – isso ainda vai mudar! – as viagens do próprio grupo tenham acontecido pouquíssimas vezes. Uma pequena listinha: nos EUA, temos a Gissela e a Marília; a pouco a Juliana aportou na Cidade do Cabo, por onde já passou antes a Lolô; há poucos dias também a Kielci e o Rodrigo fizeram sua própria tour pelo Brasil, daqui ao Recife e de lá pra cá; ano passado a Neguinha passou mais de uma semana na Espanha; a Annie e o Harrison em Janeiro estavam no Chile. Ah, como poderia esquecer, a viagem próxima mas definitiva do Fábio para Pelotas!

Nesse meu recalque, estamos nos programando para visitar a Marília ano que vem. Com muito esforço. Teremos que esperar um pouco para conhecer todos os outros lugares com que sonho. Mas uma certeza eu tenho, se não for aqui, será depois, sem o auxílio das asas pesadas de metal dos aviões, mas com as minhas próprias: eu vou viajar muito.